sexta-feira, 16 de maio de 2008

Meu nome não é Flor


Existem muitas pessoas que acham que meu nome é Flor. Não, não é. Meu nome é Raisa, com um "s" e som de "z". Flor foi apenas um apelido, decorrente de uma tatuagem que fiz, então aproveitei a Flor para assinar poesias e textos. Mas quando eu escolhi usar a Flor, estava num momento musical muito intenso com Joan Baez, então me aproveitei do seu sobrenome.

Gosto muito de Raisa, um nome bonito. Mas a Raisa é muito densa, descrente, intolerante, ousada. E a Flor é leve, como leve pluma muito leve, leve pousa. Ela é mais alegre, emana luz, é algo sensacional, permite a Raisa acreditar em algumas coisas, antes repugnantes.

E no meio de toda essa dupla personalidade, lembrei-me de um poema do Fernando Pessoa, chamado Tabacaria, e há um trecho que descreve muito bem tudo isso:


"Quando quis tirar a máscara,

Estava pegada à cara"

9 comentários:

Michelle disse...

Lindaaa! :)

Flor Baez disse...

Acredita que escrevi isso, lembrando do dia que você descobriu meu nome???

Cesar disse...

Raisa é apenas jovem...

Thay disse...

Eu conheço as duas. E posso dizer que ambas me encantam, com suas pecualiridades.Mas há algo muito comum nas duas facetas: A busca incansável de transceder a verdade e os novos conceitos.

Thay disse...

*transcender*

Luana Pinheiro disse...

Conheço as duas. Gosto das duas. Admiro as duas. Como amiga, prefiro a Raisa, densa. Pra adorar, prefiro a flor, mais flor mesmo.

Te amo.
Bjo.

marilia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
marilia disse...

Impressionante como o apelido lhe caiu tão bem, Flor.
Pra mim, ocê tem cara de flor, cheiro de flor, jeito de flor, cor de flor...

Carla Feitosa disse...

Muito bom!
tem tudo haver com voce e sua personalidade...