quarta-feira, 14 de maio de 2008

Uma questão de sombra


Numa discussão muito acalorada sobra o Leviatã de Thomas Hobbes, chegamos a um momento quase de transe, quando o professor,Oswaldo Munteal, nos alertou sobre nossa sombra. A sombra ela vai além daquela forma bidimensional projetada pela ausência parcial de luz. Ela é aquilo que repudiamos. Aquilo que enxergamos nos outros e repugnamos, pois é exatamente o que temos de pior dentro de nós. Quando queremos fazer justiça com as próprias mãos, é porque temos que eliminar no outro aquilo que existe em nós. Por mais absolutista que Hobbes tenha sido em suas escrituras eis o legado: “Lê-te a ti mesmo”.
Olhar para dentro de si e examinar o que estamos pensando é primordial para não cometermos injustiças, pois a sombra não é apenas uma sombra, é outro.

3 comentários:

Guilherme Telles disse...

Nunca tinha pensado por esse ângulo. É duro, muito duro.
Mas tenho que admitir a veracidade dos fatos.
A sombra, realmente é o outro!

Thay disse...

Relamente muito bom. Nunca tinha pensado no âmago dessa questão e acrescentaria que o outro está dentro de você o tempo inteiro, e já muitos pedaços de nós espalhados por essas sombras.

Kleverton Journée disse...

Que texto lindo! O que a luz nos traz senão as sombras?