sexta-feira, 10 de outubro de 2008

O riso

O filho de Saturno - Goya

É possível identificar no riso as diversas facetas do homem. O riso guarda uma dualidade infinda, pode significar tanto miséria como a superioridade do homem em relação ao outro e a natureza. Se observarmos com olhos atentos a significação do cômico, podemos perceber que nada mais é do que a imitação dos piores. Baudelaire ressalta no livro ‘Escritos sobre a arte’ que o riso humano está intimamente ligado à degradação física e moral e nos atenta que o riso é uma das expressões mais freqüentes da loucura.

Podemos citar aqui um exemplo vulgar de que o riso pode ter um caráter diabólico: quando uma pessoa cai no chão ou tropeça é visível e unânime às risadas dos transeuntes. No fundo do nosso pensamento, mesmo que inconscientemente pensamos que são os nossos pés que estão fincados no chão, nós somos mais atentos e caminhamos direito.

Não estou propondo que não rir seja a melhor atitude, mas sugiro um pouco mais cautela antes de fazer do seu riso algo monstruso e maléfico.

3 comentários:

Mi disse...

nossa, q conhecidência! engraçado, passei por uma situação ruim esses dias justamente por causa deles, os risos...

Carolina disse...

Não concordo.rir é o melhor remédio.

rafael queres disse...

sobre isso escrevi uma música, Flor. Ela se chama Jogo de Azar. Já tem um tempo, participei inclusive do penúltimo festival de música da FACHA. Queria te mostrar depois.

Bem, para descontrair um pouco, gostei da enquete!

beijos,
Rafael Queres.