segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Distorção


Passamos quase a vida inteira fazendo o que nos é exigido e não o que gostaríamos de fazer. Um momento: Esticar as pernas. Nossos pensamentos são contaminados e de repente eu tenho medo - do futuro próximo que não tarda e do presente. O dia está quente e penso em outras épocas, quando podia esticar as penas e colocar a cabeça para funcionar. Tornei-me mecânica, faço o que pedem e não o que eu penso, o que eu sinto. "Eu" ficou na esfera contemplativa - não existo mais. Agora, sou o nome do cartório, sou um cargo pequeno, todo mundo manda e mente. Eu não penso. Que seja apenas um estado temporário, minha bem-aventurança está escondida em algum lugar, algumas pedras a tampam e eu não consigo enxergá-la. Sou míope neste instante.

Um comentário:

Lucas Alvares disse...

É o destino de todos nós. Nós não somos daqui. Parabéns pelos textos.

Beijo na alma;

Lucas