quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Tirthankara e o Jainismo


Segundo a tradição Jaina existem 24 Tirthankara, que remontam a tempos pré-históricos. Estes são encarnações divinas que, depois de ascenderem ao mundo celestial, se tornam inacessíveis as súplicas humanas e estão além dos próprios deuses hindus, que são considerados de culto domésticos (atendem a pequenas intervenções e desejos mundanos). Alguns estudiosos consideram Mahavira como o primeiro Tirthankara, mas estudos de Heinrich Zimmer indicam que ele foi o último de uma linhagem que remontam séculos.

Para ser identificado com precisão, cada Tirthankara é caracterizado por um emblema. Segue abaixo a lista retirada do livro “Filosofias da Índia” de Heinrich Zimmer.

1. Rsabha – Um touro
2. Ajita – um elefante
3. Sambhava – um cavalo
4. Abhinandana – um macaco
5. Sumati – uma garça
6. Padmaprabha – uma lótus vermelha
7. Suparsva – uma cruz gamada
8. Candraprabha – a Lua
9. Suvidhi – um delfim
10. Sitala – o sinal chamado srivatsa no peito
11. Sreyamsa – um rinoceronte
12. Vasupujya – um búfalo
13. Vimala – um porco
14. Ananta – um falcão
15. Dharma – um raio
16. Santi – um antílope
17. Kunthi – uma cabra
18. Ara – um diagrama chamado nandyavarta
19. Malli – um jarro
20. Suvrata – uma tartaruga
21. Nami – uma lótus azul
22. Aristanemi – uma concha
23. Parsva – uma serpente
24. Mahavira – um leão

Todos os Tirthankara possuem histórias semelhantes de resignação e benevolência com um irmão, considerado a própria antítese, sempre pronto para afrontá-lo e destruí-lo que no decorrer das encarnações, muito lentamente, vai tentando se redimir e melhorar seu caráter. Assim como Buda, os Tirthankara também foram grandes príncipes que, cercados de poder e riqueza, abdicam de suas posses para ir em busca da experiência ascética. Eles representam o princípio sublime de transcender as fraquezas humanas.
Existem correntes que afirmam que o Jainismo, Samkhya e o Yoga são correntes pré arianas composto por povos que habitavam a Índia