quarta-feira, 19 de maio de 2010

Instante estéril


Duros momentos - A vida aqui parece algo estéril, geométrico e cheia de sentidos práticos. Na hora que entro dentro desta sala todas minhas abstrações e conflitos se dissipam e fogem de mim como um gato corre da água.
Gostaria de perguntá-lo: qual é a cor da última flor que você viu (interrogação).
Aqui todos os seres elementares e mágicos desaparecem e as questões míticas e místicas se tornam ridículas pelo seu caráter abstrato.
Poucas horas atrás Rama me pediu ajuda para resgatar Sita, mas não pude acompanhá-lo para cumprir este dever moral que parece sugar uma boa parte da minha vida. Sinto minha orelha quente: Rama e Hanuman conspiram contra mim agora! Não posso falar sobre o Ramayana, nem sobre o impressionismo, muito menos comentar sobre o portal 11:11 que me atormenta todas as manhãs. Tudo que martela meus pensamentos precisam fugir neste instante, para que eu pura possa me concentrar neste dever.
Peço aos barões: - Dai-me a carta de alforria! Liberte meu corpo para que meu espírito possa voar pelos planetas e cumprir sua sua missão. Na era de aquário vou me alinhar as estrelas.
Penso com imagen e cheiros fortes - sinto agora a assa-fétida tomando o ambiente. Vejo a terra subir. Sinto cheiro de fumo de rolo. Vejo a água evaporar violentamente. Ahh... minha era de aquário!

3 comentários:

Mari disse...

Acho q esses instantes estéreis passam.Eles tb tem o seu pq de existir.Até mais!

Alexandra Deitos disse...

Será que não esperamos demais da era de aquário?

Vamos pagar para ver! rss

:)

Sharla disse...

O que há nessa sala que dissipa toda magia?

E a era de aquario realmente exercita os sentidos ein (: