terça-feira, 11 de maio de 2010

Outono de mentira



O Outono é sempre refrescante. Consigo me transportar facilmente para casas semi-abandonadas dentro das florestas; Pinto quadros belíssimos no entardecer e coloco os pincéis sujos numa vasilha transparente com água. No outono a casa já está arrumada, então acordo, tomo café na varanda vendo ninguém passar. À noite faço uma fogueira de canela, coloco meu manto e espero pacientemente o sono chegar. Se der tempo, neste outono vou para Carranca, que fica pertinho de São João Del Rey, em Minas Gerais. Ficarei numa pousadinha de pedra no alto da montanha.

Cada estação é uma história. Cada corpo um gosto – o meu pelo outono; uma vida por um outono em silêncio, em paz.

Um outono no Brasil, um inverno em Benares, uma primavera na China e um verão em Jacarta.

Para cada bicho uma estação: No outono: pássaros; no inverno: gatos; na primavera: borboletas; no verão: peixes.

Para cada gosto uma estação: No outono: amargo; no inverno: salgado; na primavera: doce; no verão: cítrico.

Para cada atividade uma estação: No outono: pintar; no inverno: ler; na primavera: caminhar; no verão: nadar na curva de rio.

Queria que ninguém roubasse meu outono, só para poder desfrutá-lo sozinha com o meu gosto e egoísmo. Uma estação inteira para me conhecer, enjoar e vomitar.

Coisas para banir no outono: televisão, telefone, internet e pessoas! Pena que nada é real. Tudo é contemplativo demais, sonho demais, vontade demais, onírico demais para ser verdade.


p.s = não me importo em repetir tantas vezes a palavra outono. Fique em frente do espelho sem piscar por quanto tempo conseguir!


Crédito da foto: Flor Baez
Esta é uma curva de rio real em Trindade e os peixes beliscam os pés.

8 comentários:

Oxum disse...

Nossa, flôzinha, tinha tempo que não passava por aqui, mas amei o texto. Demais mês!! É o mais lindo que li por aqui, talvez...

Um chêrooo

The human who sold the world disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
The human who sold the world disse...

Eu amoooooooooooooo Trindade. Tantos lugares que ainda não conheci por lá. Vc conhece São Gonçalinho antes de Paraty? A ilha dos Pelados? Ai... isso é um indicativo porque hoje eu acordei com cheiro de Trindade em minhas narinas.E como é Carranca?
Bjs, Hanny (a pior pessoa do mundo "áries com ascedente em virgem") rs

The human who sold the world disse...

ascendente* escrevi errado.

Flor Baez disse...

Ahhh Mar! Se você não fosse você, o elogio seria suspeito!!!!

Hanny, não fui em nenhum lugar desses citados por você... Mas Carranca é bonito demais! Parece uma paisagem de filme! Quando você puder pesquisa no google as grutas que tem por lá!!

Bjs

Heleno Alves disse...

Seu outono me parece realmente um outono de mentira. Só conseguia sentir essas mudanças quando era jovem e morava no interior.

Alexandra Deitos disse...

Ah, o OUTONO!
E há quem não consiga ver poesia nele...
Acho que as estações são os únicos marcadores que deveriamos ter. Os únicos calendarios, os únicos norteadores.

:)

Noslen ed azuos disse...

flor baes, tudo tão interior e sincero neste post; vim conhecer, gosto quando leio e fico levemente embriagado, tonto e parado por instantes.

bjs
ns