terça-feira, 30 de novembro de 2010

Ecos de Sati


Na Índia, quando o marido falecia a mulher também era queimada na pira funerária como sinal de respeito e honra ao marido. Atualmente esse ritual é proibido no território indiano, porém ainda há registros de mulheres que se matam no fogo. A prática foi comum até meados do século XIX e era visto como sinônimo de honestidade.

O ato de se deixar queimar no fogo com o marido deveria ser voluntário, porém a família pressionava as mulheres com o intuito de que a herança não ficasse com elas. Existe também o Sati simbólico, que não exige necessariamente que a esposa morra fisicamente, mas que ela adormeça para as cores do mundo.

A Índia é conhecida por ser um país bastante tradicional, que respeita e vive profundamente os cânones da sua fé. Costumes como esse são difíceis de apagar completamente da cultura.
O termo Sati se originou na história de Shiva, quando sua esposa, Sati, se matou após a morte do marido.


Um comentário:

Luana Pinho disse...

Muito cruel isso, mas faz parte da cultura e devemos respeitar isso.
Hoje a mulher se posiciona com mais firmeza perante a sociedade, o que ajuda na elimainação de práticas como essa.
Interessante o seu blog.
Bjzzz