quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Despedida


Hoje mais uma etapa se encerra na minha vida. Um futuro cheio de surpresas, de enigmas me espera daqui pra frente. Sempre quando penso em trabalho me vem na cabeça a palavra transformação. Qualquer coisa nos dispomos a realizar precisamos fazer bem feito, esse é o segredo da bem-aventurança. Paramahansa Yogananda me ensinou a levar um paraíso dentro de mim, e procurei durante esses anos irradiar essa luz no meu trabalho. Sou muito agradecida por seres tão especiais cruzarem meu caminho com tanta freqüência. Quando eu não espero nada, eis que aparece alguém iluminado para compartilhar um pouco de sua luz.

Amanhã, quero buscar o resultado do meu trabalho não em planilhas do Excel, mas na sociedade. Uma ânsia de transformação muito forte lateja no meu coração e isso me dá esperança de conseguir fazer um trabalho interdisciplinar que ajude de fato as pessoas. A minha comunicação precisa ser social, é com essa comunicação que eu quero trabalhar. E usar isso como instrumento para levar o hábito da reflexão as pessoas. Tudo o que eu disse pode soar um pouco romântico, mas esse é o meu projeto de vida.

Não sei o que me espera daqui pra frente, mas estou muito feliz ter vivido as experiências que eu tive e ansiosa para enfrentar novos desafios.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Deuses do Hinduísmo - Matangi

Uma religião sem deuses é cinza demais. Por que escolher apenas um quando se podem ter milhares? O hinduísmo, por mais politeísta que possa parecer, é monoteísta, pois os deuses representam os diversos aspectos do deus único – a essência de Brahma. Mas, ainda assim, desempenham um papel importantíssimo dentro da cultura hindu. Como aprendi com Dilip Loundo, perguntar a um indiano se Rama realmente existiu é uma ofensa – você está duvidando da sua própria existência.
A história dos deuses é a história do homem. Através das grandes batalhas e paixões, a comédia humana vai se desenrolando e revelando, sobretudo, os aspectos culturais de uma época tão remota, que ainda sobrevive com força na Índia. Nas próximas postagens vamos conhecer um pouco mais sobre o grande panteão espiritual hindu.


Matangi
Matangi é uma Mahavidyas, deusas da sabedoria e manifestações da Mãe Divina. Ela representa a perfeição do pensamento interior e tem domínio sobre o chakra da garganta, e, portando, a palavra falada. Matangi é a forma escura da deusa Sarasvati, a deusa do conhecimento. Ela tem um papagaio e uma vina (o mesmo instrumento de Sarasvati). Ela é invocada pelos devotos que desejam criatividade, melhor eloqüência e conhecimento.

Matangi também é referida como a deusa que ama a poluição. Esse epíteto estranho vem de uma história de sua origem. Vishnu e Lakshmi tinham ido visitar Shiva e Parvati, trazendo com eles vários alimentos, mas no meio do caminho alguns caíram no chão e surgiu Matangi pedindo as sobras. Então, Shiva disse que quem a adorasse seria muito bem sucedido financeiramente e a nomeou de Matangini. Restos de comida são considerados, no hinduísmo, poluição.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

A síntese da alma (1)

Estava procurando uma fresta dentro do próprio imaginário para conhecer a alma humana. Ela deve estar escondida em algum lugar desértico de clima seco. De repente, quando eu fechava os olhos sentia o meu corpo limpo, cheio de uma energia flutuante e uma cor laranja que atravessava a alma.

Quanto mais se busca compreender a essência última das coisas, menos se alcança a resposta – porque as respostas são feitas de éter, e elas escapam das mãos com muita facilidade. Quando você pensa ter encontrado a verdade inalterada, de repente os dias passam e ela continua seguindo o seu fluxo e foge da sua compreensão.
Assim vou oscilando numa busca para toda a vida. Ora desvendando alguns mistérios, ora deixando tudo que conquistei escapar. Ontem senti a ausência das formas sobrenaturais e da perplexidade dos cosmos diante da minha pretensão.