quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Danças Clássicas Indianas: Kathak, por Susane Travassos

Estamos começando aqui no Páprica Doce uma série de entrevistas com professoras de dança indiana clássica, que atuam no Brasil. Para inaugurar, convidei a minha mestra Susane Travassos para compartilhar sua história com a gente! 



Dinâmica e veloz, o Kathak é uma das sete modalidades da dança clássica indiana. Originária do norte da Índia, com a influência dos povos nômades, o Kathak é uma maravilhosa fusão da cultura muçulmana e indiana e pouco conhecida e praticada no Brasil.
Com movimentos fluídos marcados pela rapidez o Kathak enfatiza a velocidade rítmica dos pés com a suavidade das mãos e os famosos giros.  A complexidade dos ritmos faz com que o Kathak seja, em minha opinião, a modalidade mais bela das danças clássicas indianas. 

Susane Travassos iniciou sua formação em Kathak em 1998 na França, com Sharmila Sharma no Centre Mandapa e hoje é dançarina e coreógrafa de Kathak. 





Páprica Doce: Para você é possível inovar dentro da tradição?

Susane Travassos: Sim, é possível. A própria dança indiana clássica tradicional  que se conhece hoje em dia já uma inovação em relação às danças de 2.ooo anos atrás.Como todas as formas artísticas, a dança está vinculada às novas necessidades estéticas das sociedades, e  estas estão cada vez mais permeáveis entre si. Há um grande movimento de inovação no panorama da dança clássica indiana atualmente.

PD: Quais são os pré-requisitos para quem quer se aprofundar no estudo do Kathak?

ST: Gostar de ritmo e percussão.

PD: Qual é a grande diferença do Kathak para as outras modalidades de dança clássica indiana?

ST: O kathak  é do norte da Índia, tem influências da antiga Pérsia. A música e os instrumentos que acompanham a dança são diferentes das danças do Sul da Índa. A posição dos joelhos não é fletida e isto torna a dança kathak  mais ágil, além da característica única que são os giros, que dão enorme beleza à esta forma.

PD: Para você quais são as qualidades básicas para um bom dançarino de Kathak?

ST: São as mesmas para qualquer dançarino: disciplina, curiosidade e paixão.

PD: Quem é a sua maior inspiração dentro do Kathak?

ST: Kumudini Lakhia, sem dúvida .É uma coreógrafa extremamente inspirada e inovadora. Pude estudar com ela e sua energia e disponibilidade são incríveis.

PD: Quais são as maiores dificuldades de quem trabalhar com dança indiana no Brasil? 

ST:O desconhecimento e a desinformação. A maioria das pessoas ainda confunde a dança clássica  indiana com a dança do ventre (muito frequente!), com yoga ou com qualquer coisa vinculada à meditação ou espiritualização. Já vi aberrações sendo apresentadas como dança clássica indiana, e oportunistas sem estudo algum se dizendo professores.

  

5 comentários:

Cristianne Oliveira disse...

Linda iniciativa! Ansiosa pelas próximas!

Flor Baez disse...

Oi Cris!! que saudade de você!
Delícia saber que você continua por aqui! Bjs

Anônimo disse...

O que existe na dança indiana no Brasil é uma invasão da turminha do ventre que não entende nada de dança clássica e vende a cultura indiana com a maior banalização. tem que ter muito cuidado na hora de escolher com quem vc vai dançar, pq ñ tá fácil encontrar alguém com formação, com F maiusculo.

Karine Melo disse...

ahh que lindo, menina!!

parabéns!

e tenha um ótimo final de semana.
beijo.

Maria Alice Cerqueira disse...

Prezada amiga
Hoje vim lhe agradecer pela sua linda e carinhosa presença lá no meu cantinho, através de um simples selinho, 300 seguidores , feito com muito carinho.
Agradeço-lhe de todo o coração!
Abraço amigo!
Maria Alice