quinta-feira, 29 de março de 2012

Sustentabilidade, por Fritjof Capra


Ontem assisti ao Encontro de Sustentabilidade do Santander, no Rio de Janeiro, com o físico Fritjof Capra. Apesar da duração ter sido curta demais, foi o suficiente para entusiasmar as nossos pensamentos. Vou tentar passar aqui para vocês  o que foi conversado durante o encontro. 


O tema é amplo e está na moda: sustentabilidade. Capra ressaltou que para a preocupação com o ambiente se tornar de fato real e gerar ações concretas é preciso começar a alfabetização ecológica. Quando falamos em alfabetização pensamos logo em crianças, mas na verdade o público que ele destacou para ser "alfabetizado ecologicamente" são os líderes, gestores públicos e privados, que costumam tomar decisões que geram grande impacto no meio ambiente. Essa é uma realidade bem brasileira, já que um código florestal que deprecia e facilita a sua degradação foi aprovado por líderes políticos que se encaixam perfeitamente neste conceito de analfabetismo, e estão completamente alheios e indiferentes aos benefícios de uma floresta em pé, e não conseguem se enxergar como parte integrante da natureza


O grande problema é que vivemos uma crise, uma crise de percepção. Como é possível uma economia que busca um crescimento infinito num planeta finito? Ops.. O crescimento é não linear e deve se espelhar na própria natureza, que é sustentável e cresce com equilíbrio orgânico, onde não há desperdício, há reciclagem. Ainda vivemos sob o paradigma de um crescimento competitivo que se sustenta num modelo de gestão hierárquico, onde quem está no topo domina toda a base da pirâmide. Esse tipo de crescimento apesar de ser o globalmente difundido e na grande maioria, aceito pelas pessoas não gera um crescimento sustentável. Elevam-se somente números e ignoram os indivíduos que fazem parte do corpo. E como disse Fritjof Capra: "O todo é muito mais que a soma das partes." Chega desta crença absurda que só temos que ganhar, ganhar, crescer, isso é uma ganância muito grande. Todas as nossas necessidades são atendidas pela própria natureza (ou seja, são finitas), o resto é supérfluo (ou seja, a ganância é infinita) e faz parte desse consumo descartável, esgotando os recursos naturais da Terra. Existe este mito econômico do crescimento perpétuo, que na verdade é uma doença enraizada em práticas insustentáveis.


No lugar do crescimento competitivo, Capra coloca o crescimento cooperativo. Uau! :) Isso é muito mais leve, mais humano. Vamos dizer a verdade, quem é realmente feliz vivendo neste sistema competitivo? Eu só vejo pessoas depressivas, estressadas, doentes e sobrecarregadas, onde toda a criatividade e humanidade é tolhida em prol de números. Ignora o bem estar das pessoas em detrimento de métricas, números. No sistema de crescimento cooperativo temos que pensar a realidade em termos de conexões, onde estamos conectados numa rede - algo orgânico, composto de teias que são autorreguladoras. Aqui o poder que prevalece é o poder de dar poder aos outros para fortalecer a rede e mantê-la firmemente conectada. Aqui os conceitos mudam, não é necessário pessoas que administrem, mas sim pessoas que cuidem do ambiente, não só florestal, mas social, educacional e por ai vai; A evolução neste sistema de cooperação é como uma dança e traz qualidade de vida para as pessoas.

A TERRA É O NOSSO LAR COMUM! 




3 comentários:

Lucia Monteiro disse...

É... você nasceu mesmo prá mudar o mundo! Que Jesus lhe acompanhe nessa caminhada.
Bjs

Valéria Bueno disse...

Também assisti a palestra e fiquei ainda mais apaixonada pelas palvras do Capra. Sem dúvida os seus livros transformaram minha vida, isso que eu li há muitos anos atrás, na minha juventude a até hoje guardo todos os livros.

Gostei do resumo da palestra e do blog.
ABRAÇOS,
VALÉRIA BUENO

liz disse...

Sou seguidora do pensamento de Frijot Capra e foi muito bom ler o que se passou na palestra dele através do seu resumo. Não pude comparecer mas aqui me integrei nas palavras e pensamento do grande físico. Lindo seu blog...parabéns!