sábado, 14 de abril de 2012

Do prazer da solidão e dos desafios das companhias

Há pouco tempo atrás fui no centro espírita com a minha mãe e ouvi uma mensagem muito linda, que tocou intensamente na minha consciência, ela dizia mais ou menos o seguinte: ninguém evolui sozinho. É muito comum que durante a nossa jornada rumo ao processo de evolução e crescimento nós acabamos nos isolando e ficando bastante sozinhos. Seja para manter nossa prática de meditação ou por qualquer outro motivo que nos prenda em nossos próprios cárceres. Eu nutro um enorme carinho em ficar sozinha, pois assim posso me alimentar do jeito que eu acredito, consigo parar a qualquer momento para fazer minhas leituras, meditar, olhar o céu, pensar no vazio e pensar no caminho. E sempre achei que isso é uma dádiva. Mas percebo o quanto é mais desafiador colocar todas os nossos princípios em prática quando estamos rodeados de pessoas. De repente saímos da nossa rotina e somos provocados em fazer tudo diferente. 


É claro que existem algumas pessoas que realmente já estão num patamar de crescimento, que o estar sozinho é somente uma natural condição. Mas para a maioria dos mortais a evolução é justamente em companhia de outras pessoas. Com os que nos tiram do sério, é o exercício da paciência, tolerância e compaixão que deve ser praticado, e são justamente essas pessoas que nos fazem a pular alguns degraus a cima, se soubermos lidar com amor a situação.


Mas tem pessoas que completam, que ajudam, orientam de forma mais suave. São elas que estão na mesma jornada, com a mesma missão e lutando pelas mesmas causas. E o prazer que temos em estar com elas é algo realmente mágico e nos faz acreditar que cada vez mais estamos fortes, firmes no propósito. Só de estar em companhia delas sentimos uma energia diferente, algo impulsiona e desperta admiração e confiança. Quando encontramos esses seres de luz é o momento de retê-las ao nosso lado e desfrutar de todo o momento de crescimento. 


Estar sozinho é muito bom, mas melhor ainda é quando temos a companhia daqueles amigos que estão sintonizados e buscando a mesma coisa que nós, mesmo que por caminhos diferentes. 

Um comentário:

Soraia disse...

Olá Flor!

Adorei.

O grande desafio é colocar em prática tudo aquilo que absorvemos através dos livros.
Ser " tolerante praticante" é uma dádiva.

Bjs.