segunda-feira, 9 de abril de 2012

Sacrifício e Bem-Aventurança


Foto: Camila Coutinho Silva


Para começar a construir é preciso desconstruir, derrubar alicerces antigos, esse é o primeiro passo do buscador! Que palavra mais cheia de entusiasmo! BUSCADOR. Quando ela se insere na sua vida de repente você se vê nos grupos, você conhece pessoas, ouve novas histórias, participa de modo espontâneo de profundas trocas, se depara com livros, com autores, com técnicas, com meditações, tudo para desconstruir, com o objetivo de ver uma nova construção do Ser. Mas a desconstrução vem acompanhada de outras palavras: sacrifício e esforço. Não há mudança real quando não abrimos mão das roupas velhas (opa, roupas velhas uma simples metáfora), e para todo e qualquer pobre mortal, sacrifício e esforço são doloridos no inicio, mas quando o caminho está ali você simplesmente vai se despindo de tudo e seguindo com fluidez ao encontro da bem aventurança. 

Já é velho o ditado, talvez sua vó ou sua mãe ainda diga isso pra você: se livre das coisas que já não tem mais valor para abrir espaço pro novo. Sim, sim! Precisamos jogar todas as quinquilharias que já não servem mais e até aquelas que estão apertadas e a gente acha que um dia vai servir. Vamos reciclar, vamos desconstruir tirando os velhos hábitos, os velhos padrões de pensamento condicionado e vamos elevar a consciência, ou pelo menos dar o pontapé inicial. Para isso é preciso abrir mão de algumas coisitas, que todo mundo dentro do seu íntimo sabe muito bem o que é.

Nessa jornada em espiral que todo buscador caminha é preciso atenção, estar no presente. E para aqueles, que como eu ainda dão os primeiros passos é preciso sacrifício para colher os frutos da bem-aventurança. O mais mágico é que esses frutos não são para ser comidos na posteridade, podemos agora mesmo ir sentido o doce do seu aroma se mantivermos nossa consciência no presente. Buda não leu muitos livros para atingir o nirvana. (Como disse  o amigo do Ser Luminoso, que tanto inspira com a sua caminhada). 


Não há transformação sem ação, sem atitude, sem firmeza, sem propósitos.  E você, já deu  o primeiro pontapé? 

Um comentário:

Isabela Farias disse...

Amie,
Muito boa sua visão da bem-aventurança. Vejo ela como um ponto de vista, um tijolinho diante daquilo que se deve cumprir para ser um verdadeiro buscador!