domingo, 19 de agosto de 2012

Soberba, ego, presunção, paciência e bambu


Na vida material temos a difícil tarefa de ver pessoas que são capazes de tudo para alcançar status e poder. Não medem esforços para se destacar e sobressair frente aos outros, custe o que custar. Em alguns meios isso é mais nítido, em outros essa disputa é mais sutil e existe em qualquer grupo. 

Geralmente essas pessoas gastam sua energia para ser visto pelo outro, e quando conseguem atenção, sugam toda a energia disponível. No nível metafísico, elas atuam como sanguessugas energéticas com o seu hábito de querer mostrar que é melhor que os outros. Um cansaço! Só que a verdade é justamente inversa: quem realmente pratica boas ações não tem interesse em tornar isso público, muito menos fazer disso um instrumento para aparecer - essa é a palavra certa. 

Se esquecem  que a admiração, o que é na verdade o que esses indivíduos buscam, é alcançada quando há humildade e desinteresse em suas ações. Afinal de contas, ninguém gosta de conviver com indivíduos presunçosos, egoicos e soberbos. Apenas toleramos e jamais escolheríamos, pelo nosso livre arbítrio, a presença delas em nosso círculo de relacionamentos. E quando eles são infiltrados, cabe a nós, num belo dia de primavera, tomar decisões e fazer a limpeza social. 

Mas, como bem sabemos, nada nesta vida é por acaso e ninguém entra em nosso habitat a troco de apenas aborrecimentos. Podemos com essas pessoas, por mais laborioso que seja, aprender a importância de não alimentarmos o ego, a não criar ilusões sobre o falso-eu, e sermos desapegados e humildes. É difícil, mas consciente podemos ter mais controle e sobriedade para enfrentarmos as dificuldades quando elas aparecem. Hoje, este é o meu bambu. Mas como bem citei numa postagem interior, os bambus são passageiros e logo substituídos por outros. Cabe a mim, enfrentar este processo com sabedoria, paciência e humildade. E graças aos meus bons livros, bons amigos e boa meditação, tenho conseguido passar por tudo isso com sucesso e vendo o "espiritual" na força bruta da matéria.

4 comentários:

Anônimo disse...

Gostei deste post, mas eu tenho uma pergunta e se eu me destacar na minha profissão, estudo ? Eu lembro uma vez na escola que eu tirei a segunda maior nota da sala numa prova de matemática, eu fiquei feliz lógico , mas não me vangloriei e nem fiquei contando vantagem, mesmo assim eu tive que aguentar provocação.
Bom, em todo caso, o post valeu para eu repensar como eu me comporto quanto eu sou bem sucedida.

Flor Baez disse...

Olá Anônimo, seja bem vindo!
É claro que podemos ficar felizes com as nossas conquistas. Só não precisamos tirar vantagem disso para prejudicar alguém, de alguma forma. E sempre ter humildade. Afinal de contas, se você tirou uma boa nota na prova, certamente foi porque estudou e se esforçou para isso.

Abraços,
Flor

Lucia Monteiro disse...

entendi....
admirável como sempre sua visão!

Brunno Lopez disse...

Mais uma de suas abordagens únicas e esclarecedoras.
Apenas entro aqui para concordar pois as suas verdades sempre são maiores que qualquer argumentação.

Continuas sublime.