quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Vivendo no presente


Como é difícil manter a mente no presente! Se fosse possível calcularmos a quantidade de coisas que pensamos durante  o dia, com certeza nos surpreenderíamos. O problema é que 99% dos assuntos que rodeiam nossa mente são inutilidades e sem nenhum valor, porque a mente sempre está passeando pelo passado ou projetando o futuro. Mas convenhamos, existe algum momento além do agora?! Não. Não existe.  O único momento que temos disponível é este instante. 

O que gera sofrimento, ansiedade e medo são justamente esses passeios soturnos que nossa mente faz pelos acontecimentos passados e seus anseios para o futuro. No agora não tem espaço para sofrimento, apenas para Ser.

Estou relendo um livro muito especial do Eckhart Tolle, chamado “O poder do Agora”, que nos ensina como podemos dominar nossa mente e não sermos escravos dela e de suas maluquices. Eckhart Tolle dá algumas dicas bastante valiosas para tirar nossa mente deste condicionamento doente em que nos encontramos. O primeiro passo é observar esse “pensador” que habita dentro de nós, ouça seus pensamentos, mas não analise e nem julgue. Fique na espreita até que ela perca a sua força e você possa sentir sua própria presença.

Tornar consciente do momento é o ponto chave para não gerar mais sofrimento.  Seja lá onde você está e o que está fazendo, não importa. O importante é você se manter consciente, assim, qualquer atividade que você faça pode se tornar uma meditação. Um exemplo banal, mas pertinente: enquanto estiver no banho, não fique pensando no que você fez, no que vai fazer. Sinta a água caindo nas suas costas, o movimento das suas mãos, o cheiro do sabonete. Tenha consciência do que você está fazendo, mesmo que seja apenas um banho.  Não importa o quê você está fazendo e sim como você está fazendo. 

Eckhart Tolle propõe que usemos nossa mente, no sentido funcional, apenas para resolver as burocracias do dia a dia. Após isso, devemos retomar nossa consciência usando plenamente os nossos sentidos, assim só haverá espaço para a alegria, naturalidade e leveza.  Não existe passado, não existe futuro. Só este momento é real, por isso não podemos buscar permanência onde ela não pode ser encontrada. E quando insistimos nisso o resultado é frustração, tristeza e dor. 

Temos que usar a nossa mente, ao invés de sermos usados por ela. Só podemos conquistar isso nos livrando das amarras do tempo e aceitando a realidade tal como ela se apresenta. Perceba isto, que todo o sofrimento é fruto de uma não-aceitação do momento presente. Se você não aceita ou não está satisfeito com o Agora, cabe a você mesmo provocar a transformação desse estado, e muitas das vezes não no objeto em si, mas na maneira como você está conduzindo as coisas.

3 comentários:

hannysaraiva disse...

Perfeito. É exatamente isso que tô vivendo: o agora...

Lá onde fui, todos nós estávamos no agora e o agora passou bem rápido, pra dizer a verdade.

Aí eu me deparei com as pessoas que só sabem falar do passado ou do futuro e me cuspiram problemas qd eu reapareci aqui no Rio... Amiga querida. Suas palavras estão sempre em sintonia comigo! Que saudade.

Anônimo disse...

Nada mais que o presente e tão somente o presente. Tão bela constatação a qual na maioria das vezes nos esquecemos.
Ter consciência da existência do presente, pois, apenas o agora, de fato, é real.
Quando se sente o presente, podemos dizer que nossa consciência evoluiu para patamares mais elevados.
Ótimo texto, bela mensagem.

Marcelo Nishijima

Sissym disse...

Flor, voce tem razão, mas o meu dia-a-dia me provoca: ele me faz ir ao passado buscar respostas e então gerar soluções!


Beijos