terça-feira, 27 de novembro de 2012

A leitura em evolução


Ler é uma das atividades mais prazerosas, em minha opinião. Agradeço muito por minha mãe ter incentivado em mim o gosto pela leitura, desde criança. Primeiro me aventurando nos gibis, nas revistas e depois nos livros. E assim como tudo nesta vida, ler também é um processo evolutivo. Começamos com leituras bem rasas, fáceis de assimilar e vamos progredindo, buscando livros que nos desafiem intelectualmente e que nos apresentem novas palavras, diferentes formas de pensar e exijam nossa atenção e que todo o nosso processo cognitivo esteja em pleno funcionamento.

Vemos que a falta de leitura provoca o empobrecimento da língua, do vocabulário. As pessoas que não tem o hábito de ler acabam escrevendo errado, desaprendem a pensar, a cruzar diferentes informações e assim não conseguem obter conhecimento. 


Existem diversos tipos de leitura que te proporcionam informação ou conhecimento. Ler o jornal te deixa informado, apenas. Os livros vão além desta superficialidade diária, rasteira e efêmera dos acontecimentos do dia-a-dia. Não que ler o jornal seja por completo desnecessário, mas só ele não te faz um Leitor. 


Lembro das minhas aulas de teoria literária que minha professora Gilda Korf costumava diferenciar literatura de lixeratura. Há de se discernir um do outro. Há muito lixo por ai que é chamado de livro.  


De qualquer forma, o que eu gostaria de ressaltar aqui é que os livros são ferramentas fundamentais na formação de um indivíduo crítico, reflexivo e consciente. Precisamos dar mais enfâse a sua importância na constução de uma sociedade mais esclarecida. Os livros são verdadeiras jóias que proporcionam ao ser humano uma viagem fantástica, sem sair do lugar. 


Leitores são formados ainda quando crianças. Dificilmente um adulto que não foi apresentado a leitura na infância será um Leitor. 

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Imagens que inspiram (2)

Anna Silivonchik é uma artista russa, muito talentosa que pintou estas obras abaixo.

Mergulhamos num universo pueril, cheio de fantasia, luz, sonhos e metáforas. Boa viagem!
















 

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Conhecimento e Leveza


 
“Somos como jovens pássaros; ainda estamos aprendendo a voar. Arriscamos vôos de um galho para outro, mas ficamos na mesma árvore. Tememos perder o abrigo, por isso não voamos mais longe. Para ultrapassar os velhos limites da consciência só precisamos de duas asas: conhecimento e leveza. Abrir o cadeado do intelecto, com a chave do entendimento. Abandonar a preocupação e insegurança que imobilizam nossas asas e usar toda autonomia de vôo.”

Brahma Kumaris
 
Conhecimento para compreendermos e aceitarmos quem somos e nossa verdadeira missão de estarmos aqui neste planeta tão denso e cheio de sofrimento e desigualdades.
 
Leveza para que a gente possa viver em paz e alegria, vendo o invísivel se manifestar a cada momento e podermos experimentar com doçura e aceitação todas as nuances da vida.
 
Nossa jornada é uma eterna em busca, um eterno aprendizado de quem somos nós. Como tudo é tão breve, tão passageiro, precisamos nos dedicar em ser felizes e estar satisfeitos com tudo o que somos, pois o que temos nunca será o bastante nessa sociedade tão desumana, desigual e pervertida.
 
A vida material é curta e ilusória. Desfrutemos com maturidade e responsabilidade enquanto há tempo.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Clube do Livro: Crianças Cristal, de Ingrid Cañete




Terminei de ler um livro muito interessante, ele se chama “Crianças Cristal”, de Ingrid Cañete e dá um ótimo panorama sobre os seres que estão encarnando no planeta Terra com o intuito de ajudar-nos nesta transição tão importante que estamos vivenciando. 

A autora nos informa que desde 2000 90% das crianças que chegam são cristais, e que muitos pais, educadores e terapeutas desconhecendo completamente as características e até mesmo a veracidade desses seres especiais, acabam diagnosticando-as como autistas e outras patologias, muitas vezes tratando com anfetaminas, que são verdadeiros venenos que dopam e anulam os potenciais da criança, tornando-a socialmente “normal.”

Algumas das características presente nos Cristal, são sua postura extremamente pacífica e amorosa, além de ser conscientes da sua missão aqui na Terra, chegando muitas vezes a surpreender os pais falando sobre acontecimentos de suas vidas passadas. Elas costumam ter amigos invisíveis, falam com anjos e são bastante silenciosas e possuem dons telepáticos. 

Essas crianças também são bastante criativas e tem uma ligação fortíssima com a arte, sobretudo a música. São super musicais e tem muita facilidade em aprender a tocar instrumentos. 
É muito comum que sintam um profundo amor pelos animais, costumam tratá-los com muito carinho e dedicação. Por isso ambientes que ajudam esses seres a “recarregarem sua energia”, são as florestas e o contato com a natureza. 

Como esses anjinhos vieram de dimensões mais sutis, elas sentem muito quando chegam aqui na Terra, e provavelmente tenham algum tipo de alergia, intolerância a certos alimentos, sobretudo os industrializados, com corantes, etc. Elas costumam também começar a falar mais tarde do que as outras crianças, mas não porque não sabem, e sim por se comunicarem telepaticamente com os pais.

O primeiro passo para lidar com essas crianças é dar muito amor e carinho e aceitá-la do jeito que ela é, pois certamente ela veio para ensinar muito aos pais e ajudar verdadeiramente a reavaliar nossas postura diante do mundo. Elas não aceitam incoerências, ordem sem fundamentos, elas desejam saber o porquê. Geralmente não se adaptam bem as escolas tradicionais, uma vez que este sistema como sabemos está completamente falido e já não é mais o modelo ideal para auxiliar essas crianças na sua jornada evolutiva. 

Enfim, o livro é bastante interessante e recomendo para todos os pais dessa nova era, a todos os educadores e médicos, que precisam conhecer a realidade mais sutil do campo energético dessas crianças. Só assim poderemos ajudá-las na sua adaptação e também sermos beneficiados pela sua incrível sabedoria


quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Uma sociedade doente e a evolução em marcha



Vivemos numa sociedade completamente desajustada, onde quem não consegue se adaptar a este sistema é taxado de doente, mas a realidade mostra que quem está verdadeiramente doente, não são as pessoas que não se adaptam, mas a própria sociedade, do qual chamamos de moderna, avançada.  

As pessoas hoje vivem de modo completamente ensandecido, dedicam a maior parte do seu tempo fazendo algo em que não acreditam e não a fazem crescer quanto Ser, ai sofrem com depressões e outras doenças psicossomáticas, e para “resolver” o problema se entopem de anfetaminas e remédios que são verdadeiros venenos no organismo e ficam sedadas para o mundo, ajustadas, adestradas, dando uma falsa ilusão de melhora.  Isso sem contar os outros tantos venenos que são tomados em doses diárias, como, relacionamentos tóxicos, excesso de trabalho, entorpecentes, alimentos contaminados, entretenimentos de baixíssima qualidade, e por ai vai. Tudo que nos cega e nos torna mais impotente do que já somos.

Criamos um sistema que está completamente falido hoje, e ainda assim as pessoas se recusam a se mexer, a transformar e a criar coragem para investir no novo.  Estamos completamente obedientes a esta hostilidade do mundo contemporâneo e anulamos todo nosso potencial criativo e criador para nos ajustarmos a esta sociedade em decomposição.

Mas apesar desse cenário catastrófico é possível ver, conhecer  pessoas que estão acordadas, outras ainda despertando, que estão conscientes desta transformação que precisa e já está lentamente acontecendo, e não aceitam que enfiem goela abaixo esses conceitos vazios e incoerentes. Já temos aqui na Terra, almas encarnadas que vieram para ajudar nesta transição, e lutam para que possamos viver num contexto mais favorável ao nosso desenvolvimento espiritual e proporcionem qualidade de vida e condições para que nós, quanto seres não materiais que somos, possamos crescer, florescer e dar frutos. Essas pessoas às vezes estão do nosso lado e não enxergamos, estão na nossa família e não percebemos, faz parte do nosso ciclo de amigos e não valorizamos. Fique atento, observe, aproveite, desfrute e aprenda.  

domingo, 4 de novembro de 2012

Vegetarianismo, plantas, minerais e polêmicas


Hoje vou escrever sobre um assunto um pouco polêmico, mas que faz parte da minha vida, portanto em algum momento certamente esbarraria neste viés aqui no blog: o vegetarianismo.

Existem muitos tipos de vegetarianos, que foram motivados por diversas questões: saúde, compaixão aos animais, religiosidade ou mesmo modismo. No fundo, não importa muito o que fez uma pessoa escolher este tipo de dieta, pois no fim das contas estão todos de alguma maneira tentando praticar a compaixão.

Cada um tem o seu método, o meu foi retirar aos poucos o hábito, a princípio, boi, frango e porco e depois os frutos do mar. Um processo de médio prazo, mas que me rendeu bons frutos e até hoje não me arrependo de ter feito esta escolha.

Assim como os humanos, os animais, vegetais e até mesmo os minerais, como as pedras possuem uma energia vibracional, afinal de contas somos todos seres viventes e somos pura energia, independente da substância, do "material" que nos compõe.  E precisamos nos alimentar de alguma forma. Algumas pessoas questionam: - oh, mas os vegetarianos arrancam as plantas para se alimentar isso também é agressivo!. É um pensamento um tanto obscurecido e imaturo pensar que o ato de arrancar uma maça do pé, ou um alface da terra se assemelha a arrancar o pescoço de um porco.

“Se no próximo jantar você cortar um pé de alface na frente dos seus convidados, eles reagirão de um modo totalmente diferente se você, ao invés disso, fatiar uma galinha viva na frente deles.
 (Blog Cantinho Vegetariano)

As plantas, apesar de responderem a nossa energia, elas não possuem um sistema nervoso central, como os animais e humanos, portanto não estão fadados ao sofrimento quando arrancados. Sem contar que o seu sistema de vida é completamente diferente do animal, vejamos só: a poda para a planta é benéfica, quando você arranca alguns galhos da árvore, elas crescem com mais força. O mesmo não se dá com os animais, se você arranca a pata de um boi, certamente não irá nascer outra, exemplo dado por Joseph Campbell, em "O poder do Mito".

Ser vegetariano é abrir mão do “prazer” de comer bois, frangos, porcos e peixes. Embora algumas pessoas se denominem e se intitulam vegetarianas, apenas cortando a carne vermelha, e comendo “de vez em quando” um franguinho, presuntinho, e por ai vai. Mas vale o esforço de cada um. Afinal de contas, cada um tem o seu próprio tempo pessoal para a transformação e se reeducar.

O hábito de comer carne é algo ancestral para nós, seres humanos, que dentro do processo evolutivo, vamos abandonar estes condicionamentos em prol de uma vida mais harmônica com a natureza, os animais e o Universo de forma mais cosmológica e certamente nos alimentaremos de forma mais sutil. A mudança, embora seja a tônica da vida na Terra, é muito sofrido para a maior parte dos seres humanos. Evoluir também é sofrer.

Todos nós podemos escolher evoluir e despertar, acessando novos modos de consciência, de percepção sobre a vida. Para isso precisamos fazer uma profunda reflexão sobre os nossos relacionamentos, modo de vida, e até mesmo o que buscamos nos alimentar. Pois tudo isso faz parte de uma energia Uma que nós carregamos. E independente da dieta alimentar que você tenha, agradeça sempre a natureza por lhe proporcionar uma refeição, pois seja grão, verduras ou animais, tudo é vida. Então, ao menos seja grato por isso.

E para os gostam de explicações mais científicas e biologicamente técnicas, aqui segue um texto que elucida a questão de forma menos sentimentalista do que o meu ponto de vista.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Clube do Livro: O Profeta, Khalil Gilbran



Livrinho pequenininho, discreto e você não dá nada por ele, mas é Khalil Gilbran, é “O Profeta”.  Palavras simples, de uma clareza e uma verdade absurda. Em um dia de domingo você o lê inteiro.
É a história de Al-Mustafá, que volta para a sua terra natal e os habitantes pedem para que ele ensine tudo o que aprendeu enquanto esteve fora. E esse fora é o mais dentro possível, porque é justamente quando estamos fora é que a conexão com o nosso interior e com o Uno acontece.

Al-Mustafá fala sobre o amor, o casamento, os filhos, a religião, a alegria e a tristeza e sobre tudo o que nos perguntamos durante nossa vida. São reflexões muito certeiras, que de uma certa forma, habita o imaginário do buscador.

Vou reproduzir aqui alguns trechos que mais gostei, para que vocês possam se inspirar e ler este livro também!

Amor
“Quando o amor vos chamar, segui-o,
Apesar do seu caminho ser duro e íngreme.”

Casamento
“Mas haverá lacunas em vossa união.
E deixem que os ventos dos céus dancem entre vós.”

“Enchei o cálice um do outro, mas não bebei do cálice do outro.”

“E o carvalho e o cipreste não crescem na sombra um do outro.”

Filhos
“Vossos filhos não são vossos filhos.
São os filhos e as filhas do desejo da Vida por si mesma.
Eles vêm através de vós, mas não de vós,
E apesar de estarem convosco, não pertencem a vós.”

Trabalho
“Ficar ocioso é tornar-se um estranho às estações e sair da procissão da vida.”

“E também os disseram que a vida é escuridão, e em vosso cansaço repetis o que foi dito  pelos que estão cansados.”

“Se não puderes trabalhar com amor, mas apenas com desgosto, é melhor que deixeis vosso trabalho, que senteis à porta do templo e que recebais esmolas daqueles que trabalham com alegria.”

Alegria e Tristeza
“Alguns dizes: "A alegria é maior que a tristeza", e outros dizem: "Não, a tristeza é maior." Mas eu vos digo, elas são inseparáveis. Elas vêm juntas, e quando uma está sozinha convosco na mesa, a outra está dormindo na vossa cama."

Religião
“Seria melhor que aquele que usa sua moralidade como sua melhor roupa andasse nu.”
“E aquele que define sua conduta pela ética aprisiona o seu pássaro que canta em uma gaiola.”
“Vossa vida diária é o vosso templo e vossa religião.”