domingo, 4 de novembro de 2012

Vegetarianismo, plantas, minerais e polêmicas


Hoje vou escrever sobre um assunto um pouco polêmico, mas que faz parte da minha vida, portanto em algum momento certamente esbarraria neste viés aqui no blog: o vegetarianismo.

Existem muitos tipos de vegetarianos, que foram motivados por diversas questões: saúde, compaixão aos animais, religiosidade ou mesmo modismo. No fundo, não importa muito o que fez uma pessoa escolher este tipo de dieta, pois no fim das contas estão todos de alguma maneira tentando praticar a compaixão.

Cada um tem o seu método, o meu foi retirar aos poucos o hábito, a princípio, boi, frango e porco e depois os frutos do mar. Um processo de médio prazo, mas que me rendeu bons frutos e até hoje não me arrependo de ter feito esta escolha.

Assim como os humanos, os animais, vegetais e até mesmo os minerais, como as pedras possuem uma energia vibracional, afinal de contas somos todos seres viventes e somos pura energia, independente da substância, do "material" que nos compõe.  E precisamos nos alimentar de alguma forma. Algumas pessoas questionam: - oh, mas os vegetarianos arrancam as plantas para se alimentar isso também é agressivo!. É um pensamento um tanto obscurecido e imaturo pensar que o ato de arrancar uma maça do pé, ou um alface da terra se assemelha a arrancar o pescoço de um porco.

“Se no próximo jantar você cortar um pé de alface na frente dos seus convidados, eles reagirão de um modo totalmente diferente se você, ao invés disso, fatiar uma galinha viva na frente deles.
 (Blog Cantinho Vegetariano)

As plantas, apesar de responderem a nossa energia, elas não possuem um sistema nervoso central, como os animais e humanos, portanto não estão fadados ao sofrimento quando arrancados. Sem contar que o seu sistema de vida é completamente diferente do animal, vejamos só: a poda para a planta é benéfica, quando você arranca alguns galhos da árvore, elas crescem com mais força. O mesmo não se dá com os animais, se você arranca a pata de um boi, certamente não irá nascer outra, exemplo dado por Joseph Campbell, em "O poder do Mito".

Ser vegetariano é abrir mão do “prazer” de comer bois, frangos, porcos e peixes. Embora algumas pessoas se denominem e se intitulam vegetarianas, apenas cortando a carne vermelha, e comendo “de vez em quando” um franguinho, presuntinho, e por ai vai. Mas vale o esforço de cada um. Afinal de contas, cada um tem o seu próprio tempo pessoal para a transformação e se reeducar.

O hábito de comer carne é algo ancestral para nós, seres humanos, que dentro do processo evolutivo, vamos abandonar estes condicionamentos em prol de uma vida mais harmônica com a natureza, os animais e o Universo de forma mais cosmológica e certamente nos alimentaremos de forma mais sutil. A mudança, embora seja a tônica da vida na Terra, é muito sofrido para a maior parte dos seres humanos. Evoluir também é sofrer.

Todos nós podemos escolher evoluir e despertar, acessando novos modos de consciência, de percepção sobre a vida. Para isso precisamos fazer uma profunda reflexão sobre os nossos relacionamentos, modo de vida, e até mesmo o que buscamos nos alimentar. Pois tudo isso faz parte de uma energia Uma que nós carregamos. E independente da dieta alimentar que você tenha, agradeça sempre a natureza por lhe proporcionar uma refeição, pois seja grão, verduras ou animais, tudo é vida. Então, ao menos seja grato por isso.

E para os gostam de explicações mais científicas e biologicamente técnicas, aqui segue um texto que elucida a questão de forma menos sentimentalista do que o meu ponto de vista.

Nenhum comentário: