terça-feira, 11 de dezembro de 2012

A minoria na vida espiritual



Os assuntos do espírito, do transcendente, não são compreendidos pela maioria, para constatar basta começar a falar da espiritualidade com as pessoas e percebe-se claramente que poucas são as que estão familiarizadas ou sintonizadas com este tipo de tema. Na minha visão, isso ocorre porque esta maioria ainda está completamente submersa no mundo material e ainda não teve a necessidade ou vislumbre de emergir deste vasto oceano de ilusão

 Não digo com isso que apenas uma “aristocracia espiritual” seja verdadeira e legítima, mas como dizia o filósofo Luiz Felipe Pondé, “alguns tem algo que maioria não tem.”.  É um fato empírico que esta maioria ainda não está pronta para compreender a espiritualidade. Não é que falte inteligência, porque o entendimento desses assuntos está distante de ser relativo e/ou associado com a capacidade intelectiva do ser humano. Isso nada tem a ver com eruditismo, boa capacidade de memorização livresca, pelo contrário. Geralmente é na simplicidade que os mistérios da vida espiritual são revelados, talvez seja um dispositivo que habite o coração e a consciência de uma minoria desperta, que muitas vezes caminha sozinha, sem desfrutar da gratificação de ser compreendido. 

Por isso o silêncio ser tão valioso. Perceba que as pessoas que possuem este dispositivo são bastante silenciosas, não perdem tempo em discussões vazias em grupinhos. Elas falam para quem está realmente escutando, não só com o ouvido, mas com o coração aberto.  Elas têm o cuidado de não se expor, não “filosofar no lugar errado” e falar coisas por demais complicadas para pessoas que são, ainda que temporariamente, incapazes de compreender essas nuances tão sutis da espiritualidade.

2 comentários:

nisha disse...

nice click...

Sissym disse...

Flor,

Eu penso que a maioria não está pronta e por isso não se interessa em ter um conhecimento mais aprofundado.

Bjs