quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Erudição, inteligência e sabedoria




Em tempos de Big Brother o Facebook ferve, ferve de pessoas com ânimos exaltados que ora odeiam ou amam programa. Vi todos os tipos de argumentos contra e a favor, eu particularmente me excluo desse debate, pois esse tipo de entretenimento não me interessa.  Tenho livros pra ler, casa para arrumar, janta pra fazer, um bebê chegando, animais que precisam de minha atenção e cuidado, ou seja: já tenho distrações demais. 

Alguns que assumem assistir o programa (porque tem muita gente que assiste, torce o nariz e esconde como se fosse um crime) se justificam com um discurso de que lê muito, tem fluência em línguas, tem mestrado, seu autor predileto é Machado de Assis, mas assiste Big Brother. Qual é o problema?

Dei uma volta no programa para chegar aqui. Só uma questão me interessa nesse assunto: o que é erudição, inteligência e sabedoria?! São três qualidades muito distintas. Já vi muita gente inteligente e erudita, mas completamente tola. Dominar mil idiomas, ler 5 livros por mês não faz de ninguém um sábio, às vezes um inteligente, mas mesmo assim não há nenhuma garantia nisso. Nas biografias dos gênios podemos ver muitos inteligentíssimos, grandes cientistas, filósofos, que fizeram grandes descobertas, mas que não foram capazes de resolver seus próprios dilemas e foram pessoas infelizes e tiveram um fim trágico

 A sabedoria é o supra-sumo da inteligência porque ela não é fragmentada, não é feita de especialidades, de pequenos conceitos. A sabedoria é total, ela consegue conectar fatos, conceitos, ações numa única visão, algo holístico mesmo e ela não depende da formalidade da educação, não é pré-requisito ter um doutorado para ser sábio, sua bagagem vai muito além disso. A inteligência é vantajosa nesse mundo desigual em que vivemos, pois ela nos garante status, nos dá a sensação de superioridade e grandeza e tudo isso amacia nosso ego. Mas é a sabedoria que pode realmente nos proporcionar a paz de espírito, a tranqüilidade, simplesmente porque ela nos tira dessa corrida ensandecida pela competição, de ser melhor do que o outro, de ter mais. Ela tira todo esse peso imaginário das costas e nos mostra que a vida pode ser muito mais simples e bela do que imagina nossa mente iludida. 

O referencial não deve ser o acúmulo de informações e sim a felicidade genuína, que só pode ser alcançada através da sabedoria. Há quem diga que o mundo não precisa mais de pessoas inteligentes e não precisa mais de Big Brother.

Um comentário:

Anônimo disse...

O Big Brother é algo que não consigo por em palavras, há alguns anos muitas pessoas reservavam uma hora de suas noites para assistir os participantes brigarem e etc, hoje as pessoas se deliciam no Facebook postando frases e imagens contra o programa. Talvez, odiar o BBB esteja em voga, só pode.