domingo, 20 de janeiro de 2013

Limpando o céu, o nosso templo interior


Nós nos esforçamos para nos manter conscientes e despertos, mas em determinados momentos da nossa vida o simples fato de manter a mente no presente representa um sacrifício e a vida parece correr como um sonho louco, algo desgovernado e fora do controle. É exatamente assim que vivemos quando não estamos cônscios da realidade, tudo parece uma grande confusão.

Eu, neste exato momento estou experimentando isso. Talvez pelos hormônios extras que estão circulando pelo meu corpo e a ansiosidade da maternidade que esteja me deixando assim. É incrível como você fica  sensível e as coisas ganham contornos mais nítidos e tudo parece maior do que realmente é. Confesso que está muito difícil manter minha mente alerta, minha consciência no presente e desperta. Tenho experimentado tristezas e alegrias profundas e meu humor oscila. Tudo parece um grande deserto.

Coisas e situações que eu não daria importância ganham vida própria na minha cabeça, uma novela. Um saco! Nem eu tenho me aguentado nas últimas semanas e encontrar o retorno para a tranquilidade e a paz de espírito se tornou o meu objetivo neste momento. Sabe quando você acorda disposta a ir tirando as ervas daninhas que vão crescendo dentro de nós quando nos abandonamos?! É isso que vou fazer agora, porque tenho plena consciência de que esse não é o meu estado natural e que eu preciso resolver isso sozinha, eu e eu, eu e deus.

A vida é mais, a ilusão é menos. Estamos sozinhos nessa jornada e precisamos apenas de um pouco de estímulo, força de vontade e amor próprio para entendermos que a tranquilidade é que é a chave para uma vida feliz, uma vida serena. Esses picos de alegria e tristezas são tão inconstantes quanto a fumaça e não podemos nos enganar quanto isso.

A mente tem muitos venenos e não precisamos de mais ninguém para contaminar nosso santuário anterior, nós mesmos é que nos sabotamos e poluímos nosso Ser com pensamentos pessimistas e da mesma forma, a limpeza só pode ser feita por nós.

Agora é tempo de colocar a mão na massa, a teoria na prática e arrancar essas ervas daninhas que cresceram e dar mais atenção ao jardim. 

3 comentários:

Lucia Monteiro disse...

Ou flhota ! sei bem o que é isso.
Gostaria de estar mais proxima de voce para ajuda-la nessa faxina mental.
Logo vai passar ! e só volta na menopausa rsrsrs !
bjs eu amo oce demais da conta tá!
proximo final de semana estaremos juntas e dar-lhe-ei meu colinho tá !

norma disse...

Obrigada por compartilhar momento tão especial da tua vida.
Fique bem e se cuide, Norma

Flor Baez disse...

Mãe, eu também te amo! <3

Obrigada, amiga Norma! Tudo sempre passa! Anicca! :)

Beijos
Paz,