segunda-feira, 13 de maio de 2013

As práticas espirituais só adquirem sentido na vida cotidiana




" As práticas espirituais só adquirem sentido na vida cotidiana. A relação com nossos pais, esposa, marido, filhos, colegas de trabalho e demais seres em todos os planos da existência, material e sutil, é o verdadeiro termômetro da prática. Um sinal de que algo está errado é nos considerarmos espiritualizados, praticantes disciplinados e zelosos, e, ainda assim, sermos tomados por desinteresse e falta de compaixão em relação aos seres que nos rodeiam. 

No sentido último, o isolamento e a prática formal são artificialidades - só se justificam por eventualmente proporcionarem  a remoção de obstáculos. São remédios, têm princípios ativos, e, por isso, também efeitos colaterais. Quanto antes nos livrarmos dos remédios e atingirmos nossa condição natural de saúde, tanto melhor. Todas as construções espirituais, ainda que meritórias, são esponja, água e sabão, ou seja, dispensáveis ao final da limpeza."

Lama Padma Pamtem. Meditando a Vida. Editora Peirópolis.  São Paulo, 2001.

Um comentário:

norma disse...

Que momento venturoso vc teve ao nos trazer esse texto. Lúcido. Simples e fundamental para qualquer trilhar espiritual.
A base, o tripé: Fé, Prática e Estudo (erudição). Um não aparece em seu esplendor sem o outro. Caminham juntos. Dão suporte ao cotidiano.
Há uma metáfora - que gosto muito. A vivência espiritual é como se nos sentassemos em frente a um espelho embaçado e paulatinamente começassemos a limpá-lo até conseguirmos ver a umagem de quem realmente nós somos.

Sou grata e te digo.
Boa sorte, Norma