quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Ser mãe é...


Foto Michelle Castilho

Ser mãe é sem dúvidas um dos papéis mais grandiosos que uma mulher decide viver, de repente sua vida vira ao avesso, suas prioridades mudam completamente e isso é só o inicio de uma série infinita de transformações que começam.  Você olha para trás e vê que poderia ter feito mais, que desperdiçou oportunidades que agora terão de ser construídas na base de muito sacrifício, força de vontade e dinheiro. Porque de repente ele some nas farmácias da vida e o que sobra é quase nada. 

Noites perdidas embalando o bebê, dando o melhor de si e recebendo de volta tudo que há de melhor também, os sorrisos, os primeiros passos, dentes e palavras.  Vida própria é uma palavra que não caberá mais, pelo menos nos primeiros 10 ou 20 anos. Será?! Você trabalha, estuda, cuida da casa, do bebê e às vezes de si mesma.  Livros que se acumulam na estante, unha por fazer, casa bagunçada, galinha pintadinha, refeições frias e interrompidas, etc. Todo dia temos um grande aprendizado, e eu particularmente, inúmeros arrependimentos também. De não ter feito outra faculdade, de não ter feito um mestrado, de não ter me dedicado às aulas de inglês e tantas outras chances que tive e simplesmente não abracei a tempo.  Escolhas.

E apesar de fazer tudo para o seu filho você continuará achando que poderia ser uma mãe melhor, enquanto vê as outras mães que não esquecem a chupeta, estão com todas as roupas do neném passadas, dando leite materno exclusivo, e só você não tem tudo sob controle. Doce ilusão. Expectativas praticamente inatingíveis. Você vai dar sempre o seu melhor e haverá algo por fazer, alguém a criticar o modo como você educa seus filhos e por ai vai. Entre a teoria e a prática há um abismo, que só quem é mãe/pai sabe.  E dentro da rotina de cada família, situações que outras pessoas não têm idéia. A realidade é que cada um sabe de si mesmo e a forma mais saudável e feliz de conduzir uma família.

Nunca seremos as mesmas mulheres. No dia em que nasce o bebê, não necessariamente nasce a mãe. Sinto que ela se constrói a cada dia, aflora serena e lentamente. Na mesma proporção nossos filhos vão crescendo e nos surpreendendo, alegrando os dias com suas peripécias e aprendizados.  Não existirá ninguém neste mundo que amaremos tanto quanto eles, apesar de todos os pesares que a escolha de ser mãe envolve. E seguiremos cansados, mas felizes, porque eles têm saúde, tem o sorriso mais lindo do mundo, é um misturinha perfeita de uma história (quase sempre) feliz de um amor. O sentimento é que toda a sua vida a conduziu para esta experiência de "ser mãe".

É divino, é mágico e assustador! Todos os adjetivos de uma grande aventura. A saga perene onde heróis, bandidos e arautos se misturam em todos os personagens. A verdadeira jornada do herói em 12 passos.



Enquanto o tempo passa tentamos ajustar nossas rotinas, sonhos e frustrações para que a felicidade nos acompanhe nas nossas escolhas. E resistindo a paralisia que ataca muitas mães, que desistem de si mesmas para criar seus filhos.


Nenhum comentário: