sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Não existe mudança repentina





Acredito que as pessoas possam mudar, sim.  Caráter, talvez não.  Muitas vezes alimentamos uma série de defeitos e maus hábitos e chega um momento que percebemos que não ganhamos absolutamente nada com eles, exceto rancores, inimizades e situações adversas e negativas. Bate um arrependimento e desejamos uma mudança, mas ela só acontece quando nos arrependemos verdadeiramente e ainda assim essa transformação só ocorre mui lentamente, não são 15 dias, nem um mês e talvez nem um ano e bem provável que muitas vidas. 

Mas ficamos ansiosos por resultados, enche-se a mala de expectativas. E as expectativas são como um armário que entulhamos muita roupa. De repente abrimos e cai tudo em cima de nós.
Não existe mudança repentina. Existe um ritmo que infelizmente não anda na mesma velocidade que a nossa vontade.  Essas aparentes mudanças bruscas não se sustentam por muito tempo e logo as mascaras caem.  Certamente cada um em seu repertório de experiências já vivenciou isso. Quem nunca tentou a todo custo ser alguma coisa que na verdade não se é?! 

Em um relacionamento a dois é muito comum que numa situação-limite a pessoa sinta o desejo de mudar para agradar o outro, porém infelizmente isso nunca dá certo. Porque ou aceitamos o outro tal como ele é ou saímos fora, já que é muito improvável que essas supostas mudanças não condigam com quem somos realmente. Certamente iremos passar por cima de nós mesmos com o intuito de agradar, e convenhamos: ninguém consegue viver assim o tempo inteiro ou toda uma vida, se anulando em prol da aceitação.

Já disse o Dalai Lama que todas as transformações são silenciosas e progressivas e nunca espetaculares e repentinas. Elas acontecem praticamente de forma imperceptível em seu desenvolvimento, e são notadas em longo prazo. Já diz o ditado que o apressado come cru.

Nenhum comentário: