terça-feira, 16 de dezembro de 2014

A Ditadura que mudou o Brasil – 50 anos do Golpe de 1964



Organizado por Daniel Aarão Reis, Marcelo Ridenti e Rodrigo Patto Sá Motta, o livro A Ditadura que mudou o Brasil – 50 anos do Golpe de 1964, da Editora Zahar traz um panorama muito rico do que foi o Golpe Militar e suas transformações para o país, que ainda mantém uma cicatriz aberta decorrido os 50 anos após a tomada do aparelho governamental pelos Militares.

O livro traz pesquisas bastante atuais, leitura imprescindível para os estudantes, historiadores e para o público geral que se interessa pela política brasileira. A obra é um convite para se refletir o passado e o presente com as conseqüências deixadas por um regime que propunha uma modernização conservadora autoritária, com a participação e apoio da sociedade civil. Entendem-se também como apoiadores aquela parcela da sociedade indiferente e omissa.  

A obra é objetiva e completa. Caminha de forma didática ao período histórico que antecedeu o Golpe, indo do Estado Novo de Getúlio Vargas, a política de JK, a renúncia de Jânio Quadros e o Golpe que tirou João Goulart do poder até os resquícios da Ditadura que perduram atualmente.

Primeiramente, a Ditadura Militar se instaurou com o objetivo de conter um suposto avanço do comunismo e impedir a corrupção com o suporte da classe empresarial, as oligarquias rurais, a classe média, instituições religiosas e a imprensa. Enquanto isso a esquerda estava divida em divergências quanto a maneira de se reverter o quadro político do país. Mas o Governo Militar não hesitou em prender, torturar, matar e exilar seus adversários dentro dos longos 21 anos em que permaneceram no comando.

O cenário econômico que marcou o período ditatorial foi de desenvolvimento à custa da democracia e com grande concentração de riquezas. Quem se beneficiou do milagre econômico não foi exatamente a massa populacional. E em 1985 o Brasil se encontrava endividado, com inflações exorbitantes e completamente ferido com seus mortos, feridos e desaparecidos.

É difícil sintetizar um livro que traça um panorama histórico de 21 anos de Ditadura Militar e as conseqüências posteriores ao regime, mas a obra é completa, elucida as características de cada período, não deixando nada passar despercebido. A sensação que fica quando se conclui o livro é de incômodo, pois não é possível fazer este mergulho em fatos do passado e não associá-los às feridas que ainda permanecem abertas e expostas.  




Nenhum comentário: