domingo, 19 de junho de 2016

Saudade (1)

Olá, amigos,
Aqui não mais escrevo, pois vivo outro momento da minha vida. Momento este em que tudo é apressado, a maternidade, o trabalho, o estudo, os projetos e a casa. O meu sentido vibra em outro lugar.

O que motivou a vir escrever foi a saudade. Saudade, ou um arrombo que a gente precisa a conviver com ele. Perdi um primo, um irmão, no dia 22 de Maio/2016. Nós temos muitas teorias e formas de lidar com a morte, mas quando ela nos bate a porta faz um arrombo que é impossível lidar.

Cada canto da casa tem uma história, e tem os áudios do whatsapp, tem os trabalhos que ele me pediu para fazer, tem a amizade, a irmandade desde quando me entendo por gente. Como lidar com essa dor, meu deus?

Como seguir a vida sabendo que sua família continua, mas pendurada em muletas, fraca, sem forças para continuar? Às vezes eu acordo feliz, e quando eu lembro que tudo isso aconteceu e que minha família está despedaçada, e que 5 pessoas morreram de frio em São Paulo e que mulheres seguem mutiladas na Oriente Médio, eu me pergunto por quê estou feliz.  Que atitude mais mesquinha a minha de tentar ser feliz?

De todas as mazelas do mundo, a que mais me dói, egoisticamente, é a saudade. A porra da saudade. A vontade louca de ter meu primo do meu lado.  De contar pra ele tudo que está me acontecendo, de ouvi-lo reclamar do Estado, de discutirmos política nacional, de cantarmos Systen of a down, de tomar café de forma despretensiosa e encher a cara de cerveja como sempre fizemos muito bem, obrigada.

Eu tenho saudade do meu primo. Todos os dias eu penso nele desejando estar um dia ao seu lado novamente. Não tem filosofia que amenize a minha dor. Eu vou seguindo todos os dias como um bêbado, tentando não lembrar, para amenizar essa porrada que é acordar sabendo que eu não irei vê-lo mais. (Pelo menos por enquanto). Por que ele se foi e tanta gente merda continua viva?????????????????????? Por que?????????

Enquanto isso, eu sigo minha vida perto de pessoas que não fazem sentido e longe da minha família, eles que eu mais amo. Minha família, meu alicerce. Isso dá uma outra história, um outro questionamento.
Porque estou distante das pessoas que mais me são caras na vida?

É PRECISO TER FORÇA, TER RAÇA, TER GANA SEMPRE. 

Nenhum comentário: